O AVANÇO DO PIX


Pix parcelado e carnê digital crescem com e-commerce

Desde que foi lançado, em 16 de novembro de 2020, o Pix transformou os meios de pagamentos. De lá para cá, o sistema, pensado para pessoas físicas, chegou às pequenas e médias empresas e, mais recentemente, virou negócio também para bancos e fintechs, que trataram de providenciar soluções com a ferramenta. É o parcelamento de pagamentos via Pix.

“É muito fácil de você providenciar o serviço do Pix. A ideia do Pix não veio dos bancos, veio do BC. E depois do sucesso eles viram que não tinham outra alternativa a não ser aderir”, afirmou a especialista em educação financeira Cássia D’Aquino.

Segundo ela, a pandemia impulsionou o e-commerce, que já vinha ganhando força, e isso reflete nas novas modalidades de parcelamento pela internet.

“Além da praticidade, a internet proporciona ao consumidor ponderar melhor os preços, as opções de pagamento, visitar outros produtores. As opções são maiores e mais variadas”.

Pedro Noll, diretor comercial e marketing da BoletoFlex, contou que, quando fundou a empresa com os sócios, em 2019, o Pix ainda não existia e o foco era o parcelamento de boletos.

Com a criação do sistema, no entanto, a fintech passou a oferecer serviços de parcelamento por meio do Pix, que, em pouco tempo, virou o carro-chefe da empresa.

“Atualmente, 75% das nossas operações são via Pix, contra 25% de boletos. Essa migração de clientes facilitou a cobertura de entrada de pagamentos e ajudou a descentralização dos serviços financeiros”, avaliou Noll.

A BoletoFlex oferece a opção de parcelamento em 4 vezes sem juros ou em 24 vezes com juros a partir de 1,99%. O valor mínimo de transação é R$ 100, enquanto a parcela mínima é R$ 50.

“Achávamos que nosso público teria um perfil mais velho, de pessoas acostumadas com o carnê digital, que poderiam migrar para o Pix. Mas, na verdade, 70% dos consumidores tem entre 18 e 35 anos, e geralmente nem possuem cartão de crédito”, disse.

Um levantamento realizado pela fintech brasileira Pagaleve com mais de mil consumidores brasileiros mostra que os jovens realmente dominam as transações por Pix.

Segundo a pesquisa, pessoas de 25 a 34 anos são as que mais usam o parcelamento por meio da ferramenta de pagamento do BC, representando quase 40% dos consumidores.

Na sequência, os consumidores que mais utilizam o Pix parcelado estão na faixa-etária de 35 a 44 anos (37%).

Já em relação à renda dos usuários, o levantamento mostrou que os que mais usam a modalidade tem renda entre R$ 1.000 e R$ 2.000, representando 28% do grupo.

Em relação ao perfil das empresas, o levantamento aponta que as que mais adotam o serviço são as pequenas e médias empresas.

Entre as 46 varejistas analisadas, as de pequeno porte representam 35% do total, enquanto as médias são 30%,  e as grandes, 13%.

Via PE Notícias


Nesta 1ª FASE DE IMPLANTAÇÃO, estaremos inaugurando nosso Projeto de Negócios a partir de nosso Estado. Nossa pretensão para a 2ª FASE é atuar em todo o NORDESTE e, na 3ª, nos demais Estados da Federação, por REGIÃO, a partir do SUDESTE, depois, o SUL e, em seguida, o CENTRO-OESTE e o NORTE.

Que Deus nos abençoe a TODOS !

Publicado por Aldo Corrêa de Lima

Advogado; Bacharel em Teologia; Servo do Deus Altíssimo (Cristão Evangélico [Protestante] apaixonado pelas Sagradas Escrituras e pela Seara Divina); Conservador, Líder, Comprometido, Trabalhador, Honesto, Ético e Sonhador; Casado com Willyana Corrêa de Brito (esposa fiel; Fotógrafa; Agente Comunitária de Saúde; Crente e sedenta por servir a Deus; Sonhadora, Meiga, Amiga, Batalhadora).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: